22.08.2018

Deus jamais dirá não a um coração que O invoca sinceramente, diz Papa

O segundo mandamento do Decálogo foi tema da catequese de Francisco na Audiência Geral

A Sala Paulo VI recebeu mais de 7 mil peregrinos para a Audiência Geral desta quarta-feira, 22. Dando continuidade às catequeses sobre os Dez Mandamentos, o Papa Francisco refletiu sobre o segundo deles: “Não pronunciarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão”.

De acordo com o Santo Padre, o segundo mandamento do Decálogo trata-se de um convite a não ofender o nome de Deus e evitar um uso inoportuno, superficial, vazio ou hipócrita.

Na Bíblia, explicou, o nome representa a verdade íntima das coisas e, sobretudo, das pessoas. Com isso, alguns personagens bíblicos recebem um novo nome ao serem chamados por Deus para realizar uma missão, como Abraão e Simão Pedro. “Em concreto, conhecer o nome de Deus significa experimentar a transformação da própria vida. Pensemos no Batismo, onde recebemos uma vida nova, em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”, disse.

Todavia, o Papa advertiu sobre viver uma relação falsa com Deus, como faziam os doutores da lei. Nesse sentido, notou que esta palavra do Decálogo é, justamente, o convite a uma relação sem hipocrisias com Deus, na qual entregamos a Ele tudo aquilo que somos.

“É preciso deixar de lado a teoria e tocar o coração, como fazem os santos e as pessoas que dão um testemunho de vida coerente. Assim, o anúncio da Igreja será mais ouvido e resultará mais crível. Cristo em nós e nós Nele. Unidos. Isso não é hipocrisia, é verdade. Isso não é rezar como um papagaio, é rezar com o coração, amar o Senhor”, acrescentou.

Antes de concluir sua reflexão, Francisco afirmou que a partir da cruz de Cristo, ninguém pode desprezar a si mesmo e pensar mal da própria existência: “Ninguém e nunca! Porque o nome de cada um de nós está sobre os ombros de Cristo”.

“Qualquer pessoa pode invocar o santo nome do Senhor, que é Amor fiel e misericordioso, em qualquer situação se encontre. Deus jamais dirá ‘não’ a um coração que O invoca sinceramente”, finalizou o Papa.

Irlanda

Ao final da Audiência Geral, Francisco pediu orações para sua próxima viagem, nos dias 25 e 26 de agosto, a Dublin, na Irlanda, por ocasião do Encontro Mundial das Famílias 2018. “Que seja um momento de graça e de escuta da voz das famílias cristãs de todo o mundo”, exortou.